Pesquisa

Atualmente, o NEPI congrega pesquisadores de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado em torno de quatro linhas de pesquisa que procuram dar continuidade às temáticas analisadas pelo núcleo desde a sua fundação. Ver projetos em andamento.

Há também projetos conjuntos que articulam os pesquisadores do NEPI em redes mais amplas de pesquisa.

LINHAS DE PESQUISA:

Estado, Desenvolvimento, Meio Ambiente e Populações Tradicionais:

Objetivos: Esta linha de pesquisa visa desenvolver estudos relacionados às chamadas “populações tradicionais” e a questão ambiental, abordando as diversas temáticas que lhes dizem respeito, como legislação e políticas estatais para o meio ambiente e criação de reservas (indígenas e de proteção ambiental); programas de desenvolvimento; gestão territorial; formas distintas de apreensão da “natureza” e estratégias de acesso e ocupação da terra; usos e manejos dos recursos; conflitos socioambientais; e construção das identidades étnicas e socioculturais. Visam o conhecimento etnográfico profundo das experiências relativas a estas temáticas, e a formulação de análises teórico-conceituais críticas que permitam compreender as diversas situações encontradas a partir de diferentes grupos sociais. Com isso, procura-se dar continuidade às pesquisas anteriormente desenvolvidas pela equipe do NEPI no âmbito da linha “Conseqüências Sociais de Projetos de Desenvolvimento”.

História, Memória, Acervo e Produção de Conhecimento:

Objetivos: Ampliando estudos precedentes sobre história e ensino de antropologia, esta linha de pesquisa visa desenvolver investigações que abarquem as diferentes formas de produção de conhecimento, históricas e contemporâneas, oriundas de formulações científicas ou “tradicionais”. Objetiva-se a elaboração de análises etnográficas sobre instituições, biografias e trajetórias de pessoas e produção de bens culturais, ou memórias dos campos de estudo; além daquelas sobre história, epistemologia e prática da (e na) pesquisa antropológica e os desafios postos pelo encontro da antropologia com outros campos de conhecimento. Visa ainda sistematização e disponibilização virtual de bancos de dados de pesquisa de campo.

Organização, Social, Etnicidade e Territorialidades:

Objetivos: Ampliando o escopo de análise das pesquisas precedentes sobre organização social e política indígena, esta linha de pesquisa visa promover estudos sobre a diversidade de formas de organizações socioculturais e construção das relações interétnicas, tendo como foco de investigação os fenômenos étnicos e identitários; visa à construção de análises sobre os processos vivenciados em diferentes contextos situacionais e históricos, com ênfase à dimensão política de povos etnicamente diferenciados, às estratégias empreendidas pelos diversos grupos sociais em interação, às suas manifestações simbólicas, à constituição de seus territórios, e ao estabelecimento de redes sociais em contextos intra e supra-étnicas; visa ainda analisar os processos de elaboração e transformação de cosmologias indígenas; e identificar a presença indígena em contextos urbanos.

Diversidade, Educação e Infância:

Objetivos: Esta linha amplia o escopo das análises anteriormente desenvolvidas na linha “educação e infância indígena”, abarcando também populações tradicionais ou outros segmentos. Objetiva pesquisar situações nativas de ensino e aprendizagem em contextos escolares ou não-escolares; pesquisar processos próprios de transmissão de saberes; pesquisar noções nativas sobre infância, desenvolvimento infantil, ensino e aprendizagem, participação infantil em atividades produtivas; desenvolver pesquisas com crianças indígenas residentes em aldeias e centros urbanos; apoiar projetos e políticas públicas voltadas à educação e à infância indígena ou de populações tradicionais; analisar e apoiar iniciativas de inclusão da diversidade no ensino superior. Ver blog.

 

PROJETOS CONJUNTOS: 

Rede dos Saberes: Arte, Educação, Línguas, Território e Etnicidades Indígenas.

Esta rede de pesquisa visa articular projetos que buscam analisar estratégias indígenas de reelaboração étnica e cultural e de inserção igualitária em redes extra-locais de trocas e de circulação de conhecimentos, envolvendo o campo das artes, da escolarização, do turismo, dos esportes, da literatura e do ensino superior. Os projetos visam principalmente apoiar a realização de pesquisas de campo de mestrandos, doutorandos e doutores, vinculados à UFSC e à UFAM, para a análise de contextos indígenas específicos.

Engloba o projeto “Compreensões Antropológicas sobre Conhecimentos Nativos: um diálogo em rede” coordenado por Antonella Tassinari que reúne dez pesquisadores vinculados à UFSC; o projeto “Arte e educação intercultural” coordenado por Deise Lucy Oliveira Montardo que reúne quatro pesquisadores vinculados à UFAM; o projeto “Reafirmação Étnica e Territorial na Região do Baixo Rio Tapajós” de Edviges Marta Ioris vinculada à UFSC e o projeto “Arte verbal, produção escrita e educação escolar indígena em situação de multilinguismo: o Noroeste Amazônico” de Frantomé Pacheco vinculado à UFAM. Ao articular pesquisadores da UFSC e da UFAM que vêm trabalhando com temáticas semelhantes em relação a populações indígenas na Amazônia e no Sul do país, pretende-se consolidar vínculos acadêmicos e compartilhar resultados de pesquisas desenvolvidas em contextos específicos com vistas a reconhecer processos sócio-políticos semelhantes no quadro da pluralidade do Brasil.

Esta rede de pesquisa integra o INCT Brasil Plural.

 

AVISC: Acervo Virtual Sílvio Coelho dos Santos

O AVISC visa reconfigurar os recursos usuais do trabalho do antropólogo (textos, imagens, áudio, coleta de cultura material e outros) através das novas tecnologias digitais (na sua forma de hipermídia) na constituição de acervos e galerias de imagens virtuais. Esse movimento permite apostar no diálogo através de imagens, tendo em vista que as imagens e os dados de documentação se instauram como um campo de ação tanto dos antropólogos e museólogos quanto dos indígenas e demais pessoas retratadas nesses acervos, um dialógo entre campos, tradições e comunidades diferentes. O AVISC é um acervo virtual em hipermídia construído a partir do material acadêmico e de pesquisa etnográfica, inicialmente divulgando o acervo do professor Sílvio Coelho dos Santos, depositado no NEPI – Núcleo de Estudos de Povos Indígenas e no Museu de Arqueologia e Etnologia /UFSC Professor Oswaldo Rodrigues Cabral. Esse acervo em hipermídia busca realizar um diálogo intercultural e plural com pesquisadores indígenas e não-indígenas, estando aberto para contribuições de ambos os lados. O projeto é realizado em parceria com o Museu de Arqueologia e Etnologia Professor Oswaldo Rodrigues Cabral (UFSC) e o Museu Amazônico (UFAM). Integra o INCT Brasil Plural e o Programa de Extensão Promoção da Igualdade Étnico Racial no Ensino Superior (PROEXT/MEC). Ver blog.